quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Ceia

Não consigo engolir
esse bolo de angústia
que me sufoca.
O cinza que chove
aumenta a apnéia
e sinto que cresce
a inapetência
pela vida.
A gorda mulher diz
estar sem calcinha
para não marcar o
vestido. Que importância
teria sua roliça sugestão
nessa orgia sem sentido?
Banquete mal servido
por anfitriões carrancudos.
Pratos disformes
acompanham vinhos ordinários.
E desde a Entrada
até a Sobremesa,
impera uma rudeza
que nunca se pensou.
Acepipes da semana
que passou ja se deterioram,
sugerindo os venenos
que tomam os comensais,
ainda iludidos
que à mesa,
afetos serão servidos
(e os ódios esquecidos).

A sopa cinzenta,
de horrores cozida,
jaz à minha frente
como lembrança funesta
de tudo que não presta.
Ceia fatídica
de tristeza impudíca
que avança
em minha solidão.
Apenas eu insisto
em salvar a aparência,
sem pensar o porquê
dessa inconveniência.

"La nave que vá..."