sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Mudar

Sem destino,
uma Crença vagueia
sem se importar
que outrém
lhe creia.

Nela, algum Deus incerto
sopra a bonança
que há na mudança.
Sabe-se, então,
o que importa:
o riso
atrás da porta.

O cheiro de Pitanga
indica um inesperado
quintal;
e a nova casa brilha
na crença esperança
que só a amada alcança.

Tão bom vê-la crer
na vida que nos espera,
tão logo o Sol
cumpra a Primavera.