domingo, 11 de setembro de 2011

Minas

Meia-noite nas Minas;
tempo de desejos
arfantes,
na lirica dos poetas
amantes.

Meia-noite
da noiva fantasma,
que percorre
caminhos e medos
na antiga
Inconfidência.

Que outro cinzel
esculpirá minha amada?
Qual montanha a seduz
e em qual Oratório
seu brilho reluz?

Saudade das Minas.
Saudade de Cristina.
Espaço e Forma
de um Tempo que retorna.