segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Corcéis

Trotam os cavalos
de Apolo
seguidos pelo
Carro do Sol.

É a madrugada
da Aurora
que chega,
trazendo teu
perfume de jasmim.

Trotam os cavalos
de Apolo,
pois é tempo
de Febe
adormecer o
Mundo.

Sonhe poesias,
Musa do meu Parnaso.

Em qualquer
brisa chegarei
e só para ti
levarei
o Desejo que me arde
e a Ternura
que me invade.

Sonhe, doce Cristina.
Desviarei
os açoites da vida,
para que nada
mude o curso
do Rio que te
aquece,
enquanto outra
Estrela floresce.

Sonhe, minha amada,
pois em ti
repousa,
o inverso
do meu Nada.