terça-feira, 2 de novembro de 2010

Tomara, talvez

Talvez um amor apareça,
outro jasmim floresça
e nova gardênia brote
quando o galope
substituir o trote.

Tomara que a Lua cresça,
que o escuro desapareça
e só o desejo aconteça.

Tomara que a bruma espessa
sempre nos favoreça
e que em tal cenário
libertemos o amor passionário.

Tomara que saibamos que o Tempo é saudade;
um desejo que ficou só na vontade,
e há na noite tal claridade
que a Estrela transborda verdade.

Talvez finde a lembrança do carrasco sanguinário,
que em fatídico aniversário
exilou-me do sonho diário.

Tomara que juntos caminhemos
nos caminhos que faremos,
certos de que teremos
gerado um novo viver
com a glória de poder escolher