terça-feira, 26 de junho de 2012

WEB


Porque a solidão
ainda esvazia a noite,
os sonhos que teimam

vagam como fantasmas
nessa tela que brilha
em vão.

Luzes vadias que
imitam a arte perdida
e a Poesia corrompida.

Assisto as pessoas,
mas não as toco.
Dissolveram-se em bytes.


Abraços aos (às) amigos (as) Poetas de Campinas SP.