sábado, 23 de junho de 2012

Brisa do Atlântico


Quem dera a chuva
que lava o Mundo
regasse essa
nova esperança
e apagasse a mágoa
que sobreviveu ao
último porre.

Quem dera se
dessa insônia
vingasse um poema;
quem dera se
dessa caneta
nascesse um verso
à Princesa renovada
e toda espera
fosse terminada.

Quem dera,
fresca brisa do Atlântico,
tu me dissesse
que de novo
o amor amanhece.