quarta-feira, 6 de junho de 2012

Noturno


Alguns fantasmas
espreitam-nos no alpendre.
O cheiro de mato cortado
sinaliza a noite chegada.
Na sala, ao lado do Oratório,
o branco da parede
sustenta teu retrato;
e ainda que inútil,
nele,
eu beijo tua ausência calada,
antes de caminharmos
pelas ruas das Minas
em paga das minhas sinas.

Andarei meio-mundo
e tu estarás comigo.
Ouvirei teu silêncio
e sentirei tua mão.
Saberei quando tu se deixar
absorta a contemplar
o gerânio recém florido;
e adivinharei teu riso
ao sentir que o pequeno cão
reconhece-te como herdeira da vida.

E ainda saberei de tua fadiga
quando a volta te apetecer.
Quando o fogo do Mundo
já não te aquecer.

Levar-te-ei Princesa ao
pobre Palácio sem fausto.
E após reclinar-te no leito,
velarei que os fantasmas não
ultrapassem o portão.
E te direi que durma, minha querida.
E que sonhe com a vida.