domingo, 17 de junho de 2012

Ferdinand SAUSSURE - Filósofos Modernos e Contemporâneos.


SAUSSURE, Ferdinand
1857 – 1913
O Significado e o Significante
“Toda mensagem é composta por Signos”, Roman Jakobson.
“Na vida dos Indivíduos e da Sociedade, a Linguagem é um fator de importância maior do que qualquer outro”.

Nascido na Suíça, no seio de uma família abastada, SAUSSURE teve um educação esmerada. Desde a primeira infância estudou inglês, grego, alemão e sânscrito. Para continuar a tradição familiar nas Ciências, também estudou Física e Química na Universidade de Genebra, mas logo percebeu sua inclinação para o estudo da Linguística.

E tão estreita era sua ligação com o tema, que já aos 21 anos, 1877, publicou seu primeiro livro sobre o assunto – Memória sobre as Vogais Indo-Europeias – que teve boa aceitação entre o meio intelectual.

Em 1880 defendeu sua tese de Doutorado – Sobre o Emprego do Genitivo Absoluto em Sânscrito – e em 1881 assumiu a Cátedra de Linguística Comparada na Escola de Altos Estudos, de Paris, França. Em 1886 mudou-se para a Alemanha para completar seus estudos e em 1891 transferiu-se para Genebra onde lecionou na Universidade homônima as disciplinas de “Linguística Indo-Europeia” e “Sânscrito” até 1906. Entre 1907 a 1910, ministrou outros cursos de Linguística na mesma Universidade, da qual só se desligou ao falecer com 55 anos.

Ferdinand não tinha o hábito de manter anotações e desse modo deve-se a seus discípulos Charles Bally e Albert Sechehaye a organização das anotações (as suas próprias e as de outros alunos) que permitiu a elaboração e a publicação da obra master do Linguista – Curso de Linguística Geral – em 1915, que é considerada a fundadora da Linguística Moderna.

NOTA do AUTOR – essa consideração, contudo, não significa que haja unanimidade sobre o mérito da mesma, pois são vários os críticos dos métodos de SAUSSURE.

SAUSSURE considerava a Linguagem como um Sistema composto por subsistemas de símbolos (as Palavras, mas especificamente) que agem como unidades básicas desse Sistema.

Seus estudos serviram de fundamento, de base, para uma nova Teoria que foi chamada de Semiótica, ou Semiologia. Tal Teoria sobre os símbolos, ou signos foi desenvolvida por outros eruditos durante o século passado, dentre os quais deve ser citado Roman Jakobson o autor da frase em epigrafe (toda mensagem é composta por sinais) que sintetizou com a referida sentença a forma de abordagem da Semiótica.

Mas o que é exatamente um Signo (um Símbolo, um Sinal)?

Pode-se dizer que o Signo é algo que tem o poder, a capacidade, de representar alguma coisa. Para SAUSSURE esse “algo” é formado por duas partes:

1 – Significante – que é a forma gráfica (ou como a Palavra [ou um sinal aritmético, por exemplo]) é escrita. E, também, a imagem acústica que é a imagem mental produzida pelo Som da palavra. Quando, por exemplo, eu ouço a palavra “Rosa”, eu imagino a respectiva flor. Eu fiz, portanto, uma imagem mental a partir de determinado som.
2 – Significado – o que a Palavra significa. O que é que a Palavra representa. A Palavra “Rosa”, por exemplo, significa, representa a flor respectiva.

Nesse segundo item, Significado, SAUSSURE abandonou a antiga tradição que afirmava ser a Linguagem o Estudo sobre a ligação direta entre as Palavras e as Coisas (objetos, Seres, pensamentos, emoções, etc.). Para ele, os aspectos característicos de um signo estão nas operações mentais e não  na existência física, concreta, material da Coisa falada.

Assim, o que entendemos como “cão”, por exemplo, “é” a imagem acústica que formamos a partir da audição da Palavra “cão”, e não o cão físico, concreto. O animal em si.

Arbitrariedade

A partir dessa conclusão, o Filósofo afirmou que toda mensagem, ou comunicação, é “apenas” uma associação mental entre a imagem acústica e o conceito; ou seja, uma relação entre a imagem que formamos ao ouvirmos o respectivo som de determinada Palavra e aquilo que essa palavra representa, ou significa.

Pois bem, justamente por ser “apenas uma concepção de nossas mentes”, não há qualquer obrigatoriedade de que a mensagem esteja vinculada a alguma “Lei”, ou regra, ou característica que a obrigue a ser fiel a alguma analogia, ou a algum aspecto da Natureza Física, material, concreta. Assim como, também inexiste qualquer regra que obrigue a associação entre o Som e a respectiva Palavra.

Portanto, é totalmente Arbitrária, fruto de mera convenção ou acordo entre as pessoas, a ligação entre o Significante e o Significado. A esse descompromisso, SAUSSURE deu o nome de Arbitrariedade.

Por isso, em um idioma eu posso ter como Significante o termo “dog” e noutra língua a palavra “cachorro” sem qualquer prejuízo para o Significado. Nada há de “particularmente canino (como a imitação de um latido, de um uivo etc.)” nessas palavras. Sua criação foi apenas um entendimento entre as pessoas de determinado grupo social.

NOTA do AUTOR – em relação à formação dos Idiomas, não nos alongaremos por ser um tema além da Linguagem em si. Sugerimos que o leitor busque ensinamento na Filosofia de Jacques Rousseau, entre outros.

Imposição da Linguagem

Por estar desvinculada de qualquer associação com eventos e fatos da Natureza, como vimos no parágrafo anterior, a Linguagem não é uma habilidade natural e por isso ela é Imposta pela Sociedade ao indivíduo, a partir do momento que lhe são ensinadas as primeiras palavras.

Porém, a Fala é um ato exclusivamente voluntário para todos os Homens que gozem de suas faculdades mentais preservadas. Nada pode obrigar o individuo a quebrar o próprio e desejado silêncio.

Diacronia e Sincronia

Outro ponto que merece destaque no Sistema de SAUSSURE é a utilização dos termos acima, que foram utilizados pelo sábio para diferenciar os Estudos que são feitos acerca da Linguagem. A seguir a descrição de ambos:

1 – Diacronia – titulo dado aos estudos sobre a Linguagem que Não se limitam a certo período de tempo. São os estudos que a investigam durante Todo o correr do Tempo.

2 – Sincronia – o contrário do anterior. Ou seja, as investigações feitas sobre a Linguagem vigente em apenas certa época.

Correntes Linguísticas

Recapitulando brevemente, vemos que a Linguagem é formada pela Fala + a Língua (idioma); que o que forma o Idioma são os Signos (as Palavras e os outros sinais, como, por exemplo, a vírgula, o ponto de exclamação, o sinal de mais etc.), os quais, por sua vez, são formados pelo Significante + o Significado.
Essas grandes divisões, não obstante sua importância, mostraram-se limitantes e limitadas para atender às necessidades de se aprofundar e padronizar os estudos Linguísticos. Dessa constatação, houve por bem uma fragmentação nos conceitos, da qual se originaram as seguintes “Correntes da Linguística”:

1 – Gerativismo – procura mostrar a capacidade que o Indivíduo tem para compreender uma frase mediante um número finito de regras e elementos combinados.
2 – Pragmatismo – aborda a relação entre o Discurso e a Situação Comunicativa (como, em que momento, de que forma, sob quais circunstâncias etc.) em que tal Discurso foi produzido. Que forças atuavam sobre o Indivíduo que o levou a fazer tal pronunciamento e não algum outro.
3 – Estruturalismo – o estudo que entender ser a Linguagem um Sistema articulado em que todos os seus elementos estão interligados.

As Divisões da Linguística

Ainda visando aprofundar os estudos, novas tabelas classificatórias foram adotadas para que a correta definição e nomenclatura de cada parte ficasse estabelecida como padrão de estudo. A seguir, essas definições:

  1. Fonética – o estudo dos Sons da Fala.
  2. Fonologia – o estudo dos Fonemas
  3. Morfologia – o estudo das estruturas (do formato), da formação, das flexões (plural, feminino etc.) e da classificação (verbo, substantivo, adjetivo etc.) das palavras.
  4. Sintaxe – o estudo das relações entre as palavras e entre as frases.
  5. Semântica – o estudo do significado das palavras e as modificações havidas nos mesmos.
  6. Lexicologia – o estudo do conjunto das Palavras de um idioma.
  7. Estilística – o estudo dos recursos utilizados e utilizáveis para enriquecer, ou adornar, os discursos escritos ou as Oratórias. São também conhecidas como “Figuras de Linguagem”.
  8. Pragmática - o estudo sobre como a Fala é usada no cotidiano.
  9. Filologia – o estudo da Língua através dos antigos documentos escritos.
Por fim, resta declinar que apesar de não contar com a simpatia unânime do meio intelectual, a obra de SAUSSURE continua a inspirar os Filósofos contemporâneos, como Noam Chomsky , e a ser revalorizada apesar de seus críticos.

São Paulo, 16 de Junho de 2012.