domingo, 13 de maio de 2012

Paraplégica


A moça
das pernas mortas,
afasta a tristeza
sem viço
e passa por chão
tão ouriço.
O homem tenta
um assunto,
mas o intuito
não faz um conjunto.
Divaga a moça
das pernas mortas,
outras veredas retortas.
A si só lhe importa
o que há atrás
de sua porta.

Afaga a barriga, abrigo
doutro tanto de vida
que à Vida dará
e sonha Sonhos,
que sabe risonhos.

                 Às mães.