domingo, 6 de maio de 2012

Liricas Tristezas


Canta a deusa feia
a tristeza do amor separado.
O fim dos sonhos sonhados
e o assombro dos segredos
revelados.

Na mesa, versos inacabados
e prazeres intocados.
No travesseiro molhado
o choro santificado.

Canta a deusa feia
sua triste balada
da esperança lesada.
E toda a fealdade
de um sonho pelo metade.

Sigo-te o Canto
e o desencanto, deusa.
Pois se foi a beleza,
nos passos da Princesa.