quarta-feira, 9 de maio de 2012

Cantante


- Que cantas, poeta?
- A insuficiente demasia
dos versos de amor.

A incompletude
da cama
que te falta

e o escuro
do Tempo
que te afasta.

- Para que cantas, poeta?
- Para que a dor de amor
espalhe-se com o vento
e semeie algum canteiro
que me renasça por inteiro.