sexta-feira, 4 de maio de 2012

Resenha - O OUTRO - J. L. Borges


JORGE LUIZ BORGES
1899 – 1986
Argentina

Exaltar a fluência, o estilo e o talento do mestre argentino é, ao cabo, apenas um exercício de redundância. Borges oferece-nos em seus Contos, generosas porções de puro deleite literário, onde a mescla de Realidades sobrenaturais, mágicas, com a profunda viagem aos Sentimentos humanos forma acepipes de degustação prazerosa e enriquecedora. O primeiro Conto desse Projeto, O Outro, segue abaixo. Boa leitura.

O OUTRO

A narrativa de um fato extraordinário ocorrido em 1969, mas só escrito em 1972 porque o protagonista tentou esquecê-lo para não enlouquecer. Segundo ele, ao escrevê-lo enfim, seu objetivo seria torná-lo apenas um texto literário para os leitores e, quiçá, para ele mesmo com o passar do tempo.
Subentendido, pois, fica seu desejo de registrá-lo, preservá-lo, mas sem colocar em risco a sua sanidade. Afinal a dramaticidade do evento tinha essa capacidade, pois o encontro de alguém consigo mesmo, quarenta anos mais jovem, é avassalador.
O protagonista, que é o próprio Borges, conta em Primeira Pessoa que certa manhã sentiu uma estranha sensação quando se sentou no mesmo banco em que ele estava um jovem cuja extrema semelhança consigo (física, da voz e dos modos) o levou a suspeitar que fosse “sua versão mais nova; e para dirimir a angustiante dúvida que lhe assaltou passou a indagar-lhe sobre coisas pessoais e as respostas coincidiram exatamente com as suas próprias e isso fê-lo ter certeza de que o jovem era, em verdade, ele próprio. Para comprovar sua crença, relata ao rapaz outros dados que só ele (jovem ou idoso) poderia saber, mas ainda assim o moço rejeita sua tese e argumenta que essas coincidências poderiam derivar apenas do fato dele, jovem, estar sonhando consigo no Futuro.
Borges, idoso, acha apropriado o contra-argumento e a partir daí começa uma reflexão sobre o sonhar e sobre o Tempo, sempre ressaltando que o seu Passado será o Futuro do outro. Claro que recheando os hiatos dessa reflexão, o diálogo logo passa para as Letras, para os Livros lidos e para aqueles que serão (ou já foram) escritos por ambos. Complementa a conversa, os sonhos ingenuamente idealistas do jovem e a saudosa realidade do idoso.
Interrompendo esse fio, num certo momento, o jovem foge do tema e coloca um novo argumento que poderia comprovar a natureza de sonho apenas, daquele encontro. Diz: como o Senhor pode responder ao fato de – sendo ambos um só homem – ter esquecido que quando era jovem encontrou-se com um Senhor que dizia ser ele?
Sem resposta, o idoso tergiversa até voltar à carga tentando, agora, convencê-lo mediante a citação de um verso de outro autor (Victor Hugo 1802 – 1885, França), o que sinalizaria a diferença entre os conteúdos dos cérebros de ambos, motivada pela maior ou menor quantidade de leituras feitas. Ou seja, uma comprovação de que ele existe de fato e não é apenas uma personagem do sonho do jovem.
Ante um indeciso aceite do jovem, o idoso prossegue citando uma fantasia de Colleridge (Samuel Taylor, 1772 – 1834, Grã Bretanha), na qual alguém sonha estar no Paraíso onde lhe dão uma flor como prova de que ali esteve e, ao acordar, esse alguém nota a flor ao seu lado.
Prosseguindo, o idoso pensa arrematar seu convencimento com a proposta de que ambos troquem os respectivos dinheiros, mas o jovem se aterroriza com a data (1964) impressa na nota do idoso. Alarmado, rasga a nota e a troca não acontece.
A última tentativa do homem maduro acontece com o convite do idoso para que ambos tenham novos encontros e com isso se convençam da estranha duplicidade que lhes acontece. Da inaudita capacidade de estarem em tempos diferentes, vivendo apenas uma vida. O rapaz assente, mas, no intimo, ambos sabem que não comparecerão aos eventuais novos encontros e Borges finaliza o Conto fazendo uma reflexão sobre a realidade do encontro, que se para o jovem esteve no terreno do sonho, para ele o fato se deu na lembrança que permanece.
Como se viu essa é a forma mágica com que Borges trata uma das lembranças que permeiam as vidas dos homens maduros. De todos os homens maduros.
Como ele mesmo diz: afinal, ao recordar, não existe ninguém que não se encontre consigo mesmo.

São Paulo, 04 de Maio de 2012.