segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Sátiras

Sátiros selvagens
destroem velhas imagens
e entopem as ruas
e as artérias
de espessa serragem
e nebulosa friagem;
e do horror de
gritos pavorosos
que minam qualquer
coragem.
Faunos proclamam
o Império da Luxúria,
da orgia e da incúria.
Tudo vale em camas comuns
de amantes incomuns.
Reinam as feras do Umbral,
os zumbis do Portal
e a sanha do anormal.
Virgens violadas
gemem amedrontadas,
mas anseiam
por novas escapadas.
Derrubam-se Muros e Morais
nesses dias de libertos infernais
e de libertinos angelicais.
Menos é mais
em rúpias
de volúpias
pelas indianas prostitutas
que sonham com a negra Kali,
pois só o Diabo as escuta.
Enquanto tal, um maestro sem batuta
adere à religiosa labuta
na dança que se dança
em lúgubre disputa.
Reina Ares, amansador de Cérbero,
antepassado do infame Nero.
De tudo eu quero,
mas de ninguém espero,
como repete Ravel no Bolero*,
pois a vida é escrita
a fogo e ferro.
Balas perdidas
são mortes indevidas.
Ceifadas estão as Margaridas,
as malditas flores possuídas
por falos e mentes
dementes.
No vidro da mesa,
só uma "carreira de acidentes".
São dos "Dias do Senhor"!
De choro e ranger dos dentes.


                   *da obra de Maurice Ravel "Bolero".