domingo, 4 de dezembro de 2011

Re-Chegada

Eis que um
verso é chegado.
Talvez cante
um amor, uma saudade,
uma dor, uma vontade.

Talvez cante
uma florada,
uma volta, uma chegada;
ou o riso da Amada
e sua pura nudez
em plena madrugada.

Talvez cante a calma
do orgasmo saboreado
e a do Nirvana conquistado.

Talvez cante a esperança
da utopia que não se alcança
e a da liberdade
sem fiança.

Quiçá cante
o regresso de um sonho
e a vida devolvida,
ou a poesia
que em qualquer jardim
era colhida.