sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Romã

Apenas os lírios imerecidos
resistem no jardim sombrio.
Estão secas as seivas do desejo
e inférteis estão os ardores.

Daninhas ervas
esterilizaram as sementes
do Futuro que se quis

e o perfume
de ontem a noite,
perdeu-se nesse
dia desconhecido.

Que, então, as sombras
tivessem retido
a noite passada.
Ainda se esperaria
o amor da amada.

Agora, não mais.
A romã não se partiu
e a chuva só caiu
em meados do finado Abril