terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Novo Ano do Dragão

Insistem os Profetas
sobre o fim do Mundo
cantado pelos Poetas;

e louvam a racional
conduta reta,
como se a Vida
só tivesse
um face Concreta.

Como se fosse um
teste de Virtude,
ainda que essa
seja apenas um
amestrado de atitude,
conforme o Tempo
e a Latitude.

Esquecem do "Engenho Humano*"
e que mesmo com alguns recuos
a Nave do Homem ainda Navega,

E que, como Argonautas,
seguimos em busca
do Velo dourado
e do esconjuro
do Mal profetizado.

Esquecem da bondade de tantos
e dos nossos Guias, Anjos e Santos.
Esquecem que entre tantos predadores,
ainda brota um Girassol
isento de rancores.

Que ainda nasce uma nova manhã,
por graça de Iansã;
e que há puro amor
no gesto de limpar
o que chamamos de Lar.

              
                        *da Poética de Luiz Vaz de Camões.