segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

As Matinas

Olha-me a Lua
com seu branco segredo.
O que comentam
as samambaias do corredor,
ao me verem caminhar
em todas as madrugadas
dos últimos 54 anos?
Em que medida eu
participo das coisas?
Até quando sou eu;
e não só uma das personagens
desse antigo porta-retrato
de familia?
Saberão que ainda vivo,
que choro, rio e tenho
vontade; que tenho alguma bondade,
e que tenho, sobretudo, saudade?

Foi aqui que vi uma bola de fogo
vinda do Céu. E brinquei com um
cavalinho branco que, também,
veio do Céu.
Mas o tempo... Tempo... Tempo.

Logo eu ouvirei "As Matinas" na
Igreja próxima. Será a hora
de tomar outra Morfina
e de fazer a última ronda da noite.
Amanhã, farão 55 anos que percorro
esse caminho.

                             Para Thyago, meu motivo.