terça-feira, 12 de julho de 2011

Sei

Sei-te chuva
a saciar a
sede da terra.
Sei-te brisa
a levar as mágoas
que o peito
encerra.

Sei-te Lua
a iluminar
os sonhos
de quem ama.
Sei-te Sol
a clarear
as sombras
de quem clama.

Sei-te cheiro
de mato
e a saudade
no retrato.
Sei-te ida
sofrida
e volta
abolida.
Sei-te riso
de criança
e suspiro
de esperança.
Sei-te espera
terminada
e minha doce
amada.

Sei-te luz
que me ilumina.
Sei-te Cristina.