sexta-feira, 22 de julho de 2011

Lirismo

Ensina-me
Mestre Bandeira,
uma poesia inteira
para que eu cante
a Musa primeira.

Não carece
Cecilia,
apuro de métrica
e rima,
pois Cristina
paira
um Compasso acima.

Nem precisa
Mestre Drumonnd,
tamanha precisão.
Que sejam livres
os versos,
como livres são
carinhos,
que o Bem Querer
abriga nos ninhos.

Mas que haja
doce Quintana,
teus versos rápidos
como o Minuano.
E tua poética Thyago,
na cada nota do
piano.

Assim, quando
tudo houver,
que brote
o meu verso,
para que tu
ti saibas,
meu Universo.