terça-feira, 20 de março de 2012

Sendas

Sigo a Lira
do poeta louco,
nos sendeiros da América.
Sigo a prata de Potosi,
o ouro das Gerais
e os negros olhos
da Marquesa que se foi.

Caminhos da louca famélica,
de tantos Pablos em vão.
Caminhos de Joaquim José
nos desvãos obscuros
de Assumares impuros.

Sigo a Lira
dos loucos profetas,
que nas montanhas
das Gerais
cantam a dor do Passado
pelo inútil sangue derramado.
Sigo em vão os Profetas eternos.
Parados, aleijados
no frontispício
do templo hospício.

A todos sigo
no caminho das Minas.
Selvas de pedras partidas
e de eternas Inconfidências
não resolvidas.
Sigo o canto,
sigo o campo
e nunca me farto
de seguir tanto.

Sou louco demente,
profeta inexistente
sem rumo à frente.
Mas ainda creio
que tarda o meu poente.