quarta-feira, 4 de setembro de 2013

O Canto que canto


Sou das Gerais como Carlos,
brasileiro como Ana, como Tereza Cristina , como João
e poeta como todos os homens.

E o Canto que canto é essa mistura da vida.
Esse riso, essa lágrima, esse acalanto.
E essa esperança de sempre
e essa saudade de quase sempre.

E o verso que ouço
é essa mistura que a vida nos fez;
os tantos encontros, tirante os desencontros.
Os sonhos, os corpos, as almas
e essa vontade de sempre querer.

E porque ouço e canto
sinto a Lua
que lá de cima
assiste aos dramas que representamos.