quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Aquarela

Despida pela brisa do Mar,
caminhas a tua  nudez
com lúcida insensatez.

O cheiro da noite molhada
ladeia a passarela
em que desfila
a cor de aquarela;

depois, só vestida
de chuva ligeira
recolhe-se ao abrigo
do novo amor antigo;

então, reclina a alma
e abandona-se
ao carinho que lhe aguarda.
Faz-se a noite enluarada.