sábado, 15 de outubro de 2011

Trágica

Bebo a trágica
tristeza
da Partida.
Sinto o gosto
da liberdade
indesejada.
Sinto o gosto
do Nada.

Vazio que
me rodeia,
qual porto
que o Mar
incendeia.

Aonde ficou
o corpo que amei,
o erro que errei
e a certeza
que um dia achei.

Dias que tomei
nos Domingos
que foram nossos.
Noites que bebi
nos amores
que foram nossos.

E agora só resta
tanto Espaço
a nos separar,
sem o Tempo
que nos fez
acreditar
na eterna Permanência
do que tivemos em Essência.

Chove.
Em cada gota
a saudade diz teu nome.