sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Desilusões

Fantasmas roubam-me
o sonho
que ingenuamente
sonhei.

A Terra-de-ninguém,
o Oeste sem lei
acolhe-me novamente
e o Passado
corrói o Presente.

Karma que resgato;
essa seca
no regato
(que antes saciou
minha sede)
insiste em borrar
o amor
no Porta-Retrato.

Quantas ilusões
ainda tenho
para perder?