quinta-feira, 5 de maio de 2011

La Vie

O tempo
nunca é curto,
enquanto mede
a dor
de uma ausência.

Mas eis que me
visitam
amores que vivi;
e Piaf ressurge
em todos os
tons e sons.

E se por ti
eu soube,
que a saudade
tem nome,

por ti
talvez eu saiba,
como renascem
os
devaneios.

Para Eliane