segunda-feira, 16 de maio de 2011

Arte

Estranheza
dos delirios
que se propaga,
nos versos
que a noite
afaga
e que a chuva
alaga.

Surrelismo
da arte.
Desse mundo
a parte,
que descreve
a insânia
da vida
e da Verdade
esquecida,
na
Pedra Polida.

Desacerto
de ser
Objeto
e Sujeito,
na frase
e na vida
que nunca termina
sem metro
ou rima.

E se a vida vai
até o limite
que há,
resta a Arte
que sempre
haverá.