domingo, 20 de março de 2011

Aedo

Porque houve uma rapsódia
o verso se fez azul,
como um céu de Matisse
prolongando a planície.

Agora, o cheiro de chuva
molha a terra e a alma.
Água da paz conquistada,
em amarela tulipa inviolada.

Noite dos prazeres de antes,
das embriagadas Bacantes
de volúpias delirantes
e taças espumantes.

Noite que a canção suaviza
e que à vida beija e alisa,
no cetim da próxima brisa