terça-feira, 15 de março de 2011

Gregas

Trágicas mulheres gregas,
dizei-me quando chega
o mito da felicidade.
Em qual página
dorme escondida
a paz quase esquecida?
Em quais piras
arderam todas as iras?
Onde estarão os heróis
e o ouro que nada corrói?

Digam-me, gregas mulheres,
após qual travessia
o monstro da agonia
será ceifado
por Ares alado?

Quando, mulheres trágicas,
serão reais as mágicas,
as poções, os elixires
e a nobreza de Aquiles,
nesse tempo de deslizes?

E por fim, Helenas,
digam-me
em qual bosque se despe
a deusa mulher,
musa e música
do poeta qualquer.