quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Gringo Cucaracha

Canta uma balada triste,
o jovem andarilho.
Como se a vida, de dedo em riste,
agravasse seu caminho maltrapilho.

Pouco entendo de seu canto.
Talvez lhe recorde um amor;
talvez nem tanto,
só de sua outra dor.

Ouço chamarem-no de "Cucaracha",
ou outro nome que se acha
nos senões
de pensares anões.

Aos poucos se assume
certos ódios do Irmão do Norte.
E para lhe parecer, se presume
o direito de maldizer alheia sorte.

Gringo, cucaracha, viciado.
Feito de irmãos e pimenta,
como um demônio que nos atenta.

Trôpego, segue em desatino,
o triste canto que ouviu menino.
Mais insultos lhe dirão
e expulsarão o triste estrangeiro
desse Brasil menos brasileiro.