domingo, 15 de abril de 2012

Mestre Aedo

Também tive, Mestre Aedo,
um duro enredo,
mas eis que pressinto
nova couraça no peito
e o Mal sendo desfeito.

Prevejo a re-estréia
nesse Picadeiro
de circular esperança.
E já avisto o verde voo,
que em breve me alcança,
do amor em dois atos,
para além dos hiatos.

Ao longe já escuto
o Coro que me chama
e um poema que se
auto-declama.
É tempo de renascer
e da dor já não doer.