domingo, 28 de agosto de 2011

Letras

Letras que se
agitam sob modernos
holofotes
(ou sob os vestutos
archotes),
contam ao Mundo
que vivo
uma fase dourada.

Livre, quero-me Sujeito
desse amor
do momento Perfeito.

Nao há, ora direis*,
motivo para não se
cantar,
a Sereia deste
meu outro mar.

Sereia, Sereia,
do livre verso,
quase lúdico regresso,
eis-te Absoluta.
Doce esposa
que a maledicência
nem ousa
atingir,
pois te sabe
rima e razão
do meu existir.

Letras que
descrevem
o carinho,
o cuidado;
a angústia
da solidão,
da saudade
e da falta
da cara-metade.

Letras que desenham
Cristina aquarela.
A vida é ela.

                    
"Ora direis" da poética de Olavo Bilac.