terça-feira, 16 de agosto de 2011

Ausente

Nada sobra
em tua
ausência.
Caminho sozinho
em nuas calçadas.
N'alguma mesa
farei um rascunho
do poeta que me
pensei;
mas nada mais
direi,
pois o vento
levaria
qualquer fantasia
e a branca Lua
de outro dia.