quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Espera

Há um verso
à espera
do amor a cantar.

Brancas flores
ordinárias
debruçam-se sobre
o muro;
e o cheiro da noite
escancara
a solidão do verso
que espera,

mas é inútil a espera
do ávido verso.
O amor não veio
e o perfume
da noite
abandona a poesia
que não se fez.

Talvez um dia,
talvez...