terça-feira, 9 de abril de 2013

KRISHNA (Hare Krishna), o Deus mais popular do Hinduísmo.

Krishna é uma divindade muito simpática, associada ao amor e à alegria. É um dos deuses mais cultuados em toda Índia e, talvez, a face do HINDUISMO mais conhecida no Ocidente. Inclusive por ser o interlocutor de ARJUNA* no clássico “BHAGAVAD GITA” e pelas comunidades (HARE KRISHNA). 

Suas histórias são repassadas de geração em geração e lhe são atribuídas várias facetas, de herói romântico a moleque travesso. Mas é como pastor e protetor das vacas (que por isso são sagradas) que ele é mais celebrado. Uma espécie de deus da agricultura. Da vida bucólica. 

Conforme a tradição, KRISHNA é considerado como o oitavo AVATAR* de VISHNU* e seu nascimento terreno causou uma grande confusão na sua cidade natal, MATHURA, que era governada pelo cruel rei chamado KANS. 

O malvado monarca tinha uma irmã mais nova e muito generosa chamada DEVAKI, que se casou com VASUDEV. Durante os festejos do casamento, um vidente pressagiou que o oitavo filho de DEVAKI iria matar o rei e por este motivo KANS, às vésperas do nascimento de KRISHNA, mandou prender o pai e mãe do deus, mas após o nascimento do menino, a família fugiu e KRISHNA foi entregue à YASHODA*, sua tia paterna, que morava em GOKUL (note certa semelhança com as histórias bíblicas)

O garoto cresceu numa família de vaqueiros e pastoreava as vacas com grande zelo e prazer. Alegre e extrovertido, KRISHNA gostava de brincar e de seduzir as ordenhadoras, dentre as quais estava RADHA* que se tornou o seu grande amor. 

Mesmo travesso, o menino seguia os princípios da bondade e da justiça, atributos que o tornaram uma figura exemplar (e que por isso é sempre citada pelos pais – mesmo atualmente – na educação de seus filhos)

Durante sua infância terrena, KRISHNA matou vários monstros, demônios e malfeitores e quando se tornou adulto liquidou seu avô KANS, conforme profetizara o adivinho, mas apenas após o tirano tentar matá-lo em diversas ocasiões, dentre as quais a que aconteceu quando os conselheiros reais promoveram um torneio de lutas para os jovens da região que seria, na verdade, uma emboscada contra KRISNA. Contudo, ele venceu todos os outros competidores e foi então que ao ser covardemente atacado pelo rei, desferiu-lhe o golpe fatal. 

Após a execução, Krishna tornou-se o Governante e durante seu reinado houve uma época de paz e felicidade, da qual, ele e a sua amada Rhada são os exemplos mais notáveis.

HARE KRISHNA

Segundo dados históricos, na década de 1.960 surgiu uma nova religião com o fito de cultuá-lo. E graças à pregação de SRI CAITANYA MAHAPRABHU, continuada por seu discípulo SWAMI PRABHUPADA, os jovens hippies da época viram nele um caminho alternativo ao materialismo dominante. Uma quebra das convenções burguesas. Em quarenta anos, suas mensagens de paz e amor fortaleceram-se e atualmente o movimento “HARE (energia) – KRISHNA (personalidade suprema)” conta com cerca de duzentos e cinqüenta mil seguidores em todo mundo; e com aproximadamente mil e seiscentos no Brasil. Seus adeptos devem seguir uma dieta vegetariana, manter relações sexuais apenas para a procriação, abster-se de álcool e de drogas, praticar o BAKTI-YOGA*, repetir certos MANTRAS* e participar das cerimônias de adoração que se iniciam ao alvorecer e que incluem a oferta de incensos, flores e alimentos. Não seria errado dizer que KRISHNA tornou o HINDUISMO muito mais conhecido no Ocidente e que seus seguidores desempenharam importante papel no movimento de “contra – cultura” que se iniciou no final da década de 1.960.


Digitado pela Taisinha das Montanhas de Minas.