quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Speratio


Que a esperança renovada
em cada semente germinada
reponha os deuses ancestrais
em seus coloridos pedestais.
Que a boa sorte nos cristais
predigam o fim do anjo nefasto
e do triste banquete
de intragável repasto.
Que a ideia imóvel,
que o tempo perdido
e o vicio da mediocridade
não resistam à luz e claridade;
e que a fantasia seja
a mais pura realidade.
Que abandonemos o rebanho
triste e lanho
e exerçamos a Poesia devida
em cada acácia devolvida.
Que ao labor não sejamos forçados,
mas ao amor sejamos destinados.
Que tenhamos a dignidade de um cão
e a generosidade do chão fecundo,
pois saberemos que mesmos ínfimos
somos o Mundo.
Que saibamos ser irmãos das Estrelas,
filhos das árvores e amantes do verso,
pois eis que nos saberemos Universo.
Que tenhamos mãos para o afago.
Que tenhamos um riso largo.
Que tenhamos uma lágrima caída
uma página virada, uma história vivida,
uma chegada, uma partida,
e, sobretudo, o milagre da vida.

Dedicado a todos os (as) amigos (as) e sobretudo aos Confrades e Confreiras da Academia Nacional de Letras do Portal do Poeta Brasileiro. A todos desejo um Natal e um Novo Ano repleto de tudo que lhes traga felicidade.