quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Espelho


Há desejo no olhar
que o espelho embaçado
aos poucos revela.

O corpo aprisionado
no casulo da toalha
logo ganhará asas,
pois é no voo da borboleta
que o lírio floresce
e o corpo se oferece.

Há pressa na mão
que logo será cem.
É preciso que todas as carícias
percorram o seio que arde.

E há paixão nos lábios
que beijarão todos os lábios.
E que murmurarão
a canção do amor maior.

Então, as vidraças embaçadas
esconderão as entregas
e proclamarão as verdades,
enquanto os sentidos
voarão as liberdades.