domingo, 9 de dezembro de 2012

Auto de Açucena


- Branca Açucena
que do fundo nos chega,
conte o que viu
na Terra das gentes.

- Pouco eu vi, poeta que pergunta.
E menos entendi,
pois o véu que o Mundo
nos obriga
roubou o que viam esses olhos;
e essa mão (que a Terra
haverá de comer),
só o cinza vazio segurou.

- Mas e a luz que às vezes avistamos?

- Dela, só soube que é semi extinta.
Que são os brilhos derradeiros
de quando o amor existia.
De antes que o medo e o orgulho
apagassem o bem-querer.

- E mais nada restou, Branca Açucena?

- Só a paúra de saber que no Futuro
haverá de se perguntar o por quê
não se deixou a Felicidade ficar.

- E a Ciranda que se ouve, Açucena?

- Essa eu vi. É quem canta e festeja
a tristeza de quem quer sonhar.
Canta e festeja
porque nela está
que em vão já sonhou
e quem nunca sonhará.
Canta e festeja, canta e pragueja
para os sonhos não sonhar.

- Tão triste, branca Açucena.
- Tão triste, poeta que pergunta.