sábado, 22 de dezembro de 2012

As Estações

INVERNO

Cautela, filho, porque
grande é o Mundo
e tantos são
os labirintos de se perder.
Cuidado, mulher,
porque nem sempre
as carrancas do São Francisco
exorcizam os demônios,
nem sempre as brancas rendas
beatificam os dias,
ou as negras bençãos
afastam o infortúnio.
É preciso estar atento,
pois nem sempre
o canto de Iara se evita
e nem sempre a maré
espalha o azul pela vida.
E mais cuidado é preciso
quando o corpo da amada
ao prazer nos convida,
pois eis que nos espreita
a dor da saudade
e a solidão da idade.

OUTONO

Um vento amarelo
despe a árvore envergonhada
(o homem recolhe
as folhas caídas
no chão burocrático.
Quem fará igual
com as nossas almas?)
Quem, poeta?
O tempo, Musa de sempre.
Apenas o tempo
haverá de recolher
os nossos sonhos
e, talvez,
compensar as nossas ausências.
Apenas o tempo, Musa de sempre,
haverá de justificar
as novas crenças
e o Arco-Iris
que insiste no horizonte.
Apenas o tempo, Princesa,
trará a outra Primavera.

PRIMAVERA

E o tempo é de esperança.
E o tempo é de renovar a aliança.
Que tenhamos a força da generosidade
e que nunca nos falte a solidariedade.
Que ao amor sejamos convidados
e que por todos os perdões
sejamos perdoados.
Que o corpo experimente o gozo
e a alma, o orgasmo do repouso.
Que saibamos prover,
mas que nos esqueçamos de prever,
pois é no inesperado
que a boa sorte
revela o seu fado.
Que tenhamos,
até,
o gosto da melancolia,
apenas para sentir
o esplendor do novo dia.

VERÃO

Caminhe comigo, mulher.
Andemos por nossos corpos
e exploremos os mútuos prazeres.
O Mundo não teve fim
e a cor se renova
em cada rosa colhida,
em cada lágrima não vertida
e em toda mão estendida.
Bebamos os prazeres do vinho.
Experimentemos os sabores da romã.
E, principalmente,tenhamos a ventura de ver
que são estrelas os teus olhos
e são abrigos os teus braços.
Saibamos que a chuva do fim da tarde
haverá de trazer a fresca brisa
e que o balanço da rede
trará a cadência do amor.
Ande comigo, mulher.
A vida é o caminho.

               Para a Musa de sempre.