quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

M...

Pressinto nova querência.
De novo, essa urgência.
Esse sonhar, esse querer
e o medo de não acontecer.

Há música em seu nome
e luz em seu riso.
Cor e som,
como promessa de Réveillon.

De onde veio essa moça
de riso farto e olhos negros?
De que noite restou essa estrela
que agora brilha
em minha trilha?

Andaremos a mesma estrada?
Ou desse pré devaneio
só ficará o quase nada
doutro poema na madrugada?

                                                 Para M...