sábado, 11 de dezembro de 2010

Luluzinha Vegetariana e os Micróbios

Luluzinha, menininha adolescentezinha, fragilzinha, mas revoltadinha, certo dia cansou de ser “Animal Pessoa” e quis sair da Natura.

- Não sou onívora como a natureza me fez, sou vegetariana como o senso me fez. E se recusou a comer outro bichinho. Definhou, emagreceu e pensou que um animal talvez salvava. Talvez dois, talvez três. Talvez uma salva.

Se João Antonio e Antonio João diziam que ela era gostosinha, logo ela “tc” com suas amiguinhas para contar que embarcaria na boleia de um caminhão da CEAGESP e só pararia em Porto Seguro do agreste. Note-se: CEAGESP com agreste... Quase!

A passagem para o bruto ela pagaria com seu corpinho nas mãos do caminhoneiro. Poderiam comê-la, pois ela era Safadinha (sem ser Bruninha), mas ela não comeria mais nenhum bichinho, que é tão fofinho. Ela não era mais da mamãe. Nem da biológica, nem da telúrica. Era da super natura. Note-se: telúrica e natura... Quase!

Por que cismou que a morte da planta é menor que a do bicho? Quem lhe garantiu que planta não sente?

Sentem sim! Piriripimpim! Notou o Micro bufão e chinfrim. – E ademais, falou o Micro sagaz, as duas mortes já estão com ela. No seu rímel, no seu perfume, no seu sapato e noutros quetais. E a magrela, falou o Micro Requenguela, é insolente, pois se acha melhor que a gente. Note-se: insolente com gente... Foi!

O estranho é que aquela cabeça, donde nada saía, firmou pé na resolução e nada comia; e emagreceu e definhou e quase morreu, enquanto pensava no animal que salvava. Aliás, pensou (para espanto geral): salvei um, dois, três salamê míngüê. Salvou, talvez, uma salva. Mas isto não pensou, porque ela não sabia que “salva” era coletivo, o qual MODUS OPERANDI, ELEMENTO, não era só o “busão”.

Tornaram a perguntar: quem lhe disse que a plantinha não sente dodói quando é arrancada, triturada, refogada, assada e comida? Bobinha... Amanhã mesmo, em Harvard, Princeton, Yale e na Faculdade que não gosta de vestidinho curtinho, um sábio dirá que: Sim! Sentem sim! PIRiripi... (foi bom ter-lhe olhado com a cara feia).

No caminho leitoso da Galáxia, instaurou-se RIGOROSO INQUÉRITO para descobrir o quê pretendia A ELEMENTO LULUZINHA. Trovões de Zeus cortaram os Céus e as peles zimbelinas; e o balacobaco chegou de vez...

- oui, oui, disse o Micro francês.

E naquela algazarra pós incipiente e pré deprimente; naquele caleidoscópio com jeitão de Falópio o burburinho do “little Joe”, ou “Zé Povinho” foi calado pelo ilustre Micro Filósofo, que ordenou:

- Pulemos, para a próxima estrofe!

O pseudo Micro pseudo Poeta atendeu-lhe enquanto chupava uma bala toffe.

Continuou o Micro Filósofo:

- Companheiros e Companheiras (antes da Presidenta, vou tomar a saideira) Micros e Bac. (Hã? Bac? Bacteriazinhas patricinhas) nada tem de suave esse momento tão grave. Estalou os olhos e disse: PERGUNTO: quem fez o transunto? (hã?). PERGUNTO: Lulu tem boa intenção ao massacrar uma forma de vida em beneficio de outra? Será? Ou não? Será apenas comodismo, ou modismo, ou avançado estudo do russo Simbolismo?

- HÃ?

- Ou estará brincando de ser pobre? Sempre a beira do abismo?

- Pero, poco importa, disse o mano HERMANO, és todo lo mismo!

- O diabo (mangalô, tres vezes), falou o Micro Filósofo que não acreditava em Deus, nem no Diabo na terra do Tiago; é que ela deixará de alimentar milhões, bilhões, trilhões de nano animais quando chegar à hora de seu abate.

- SIM! Piriripimpim! Disse o Micro Bufão (e chato). Aonde terá ficado a carne que deveria ser dela e nossa?

- Não sei, retrucou o Micro Sergei.

- Não, não sabe, resmungou o Micro Requenguela, mirando o “buraco negro” de sua panela.

E volta o Micro Filósofo dos Micros Poderes de Foucault:

- É certo que não temos o garbo de um boi pardo.

- Mas bicho é gente humana, falou a Bac cigana.

- Somos bichos também, gemeu o Micro Ghost do Além.

- Até Camões já nos citou, disse o Micro Letrado no Pelô.

- Não temos culpa de sermos como somos (isso, amiga, tenha atitude!)

A palavra volta ao Micro Sagaz:

- Por mim tanto faz! Mas se pudesse eu lhe diria: não há, Lulu, como sair dessa Roda que a Natureza cria. A minha morte (malditos antibióticos) manter-te-á viva.

- Manter-te-á? Oh! Que lindo! Urrou a turma do “vamos indo”.

- Mas a tua morte, retornou o Sagaz, alimentaria trilhões de pequenos animaizitos. Aliás, tais animaizitos são teus ancestrais, como bem dizem os cabedais.

Retornou o Filósofo que era mais que o Sagaz, embora isso lhe custasse a paz:

- Não te importe só com a altura do decote. Veja Pequena Soraia (ouvira isso de um apresentador de programa policial, mas como era Filósofo de Lei, só assistia escondido na TV do Warley).

- Hã, hã! Fez-se silêncio para a fala do Micro Sábio, do astrolábio e do alfarrábio:

- Não te importes se somos microscópicos. Existimos. Mormente nos Trópicos. Cuide de nós. De todos nós. Isso sim!

- SIM! SIM! PIRIRIPIMPIM! (chega, cale-se!).

- Não suporte, pequena Soraia de Sereia (karaka, isso é cristal na veia), que os bípedes nos maltratem. Prenda o “Bípede Domador” na jaula; faça o “Bípede Latifundiário” refazer o pré primário; ordene que o “Bípede Torturador dos Rodeios” vá para a Escola dos Sacos Cheios. Faça o “Bípede Caçador” endoidecer da caraminhola de tanto cheirar cola. E faça que todos os outros “Bípedes Covardes” puxem carroças pelas manhãs e pelas tardes.

- Como assim? Falou Luluzinha Pequena Soraia.

- Burra! Quando você mata e come um bicho, só está seguindo o que a Natureza te obriga a fazer. Outros bichos farão o mesmo contigo. Tal como eles, você não está além da Natura.

- Como assim?

- Estúpida e Patética (eles acham que patética é sinônimo de deplorável, ah, ah, ah, não ria, isso é sério. Está acontecendo nesse minuto, dileto leitor). Você já viu os Leões obrigarem os Servos a serem servos? Já os viu combinando uma tortura institucionalizada chamada “Rodeio”? Já viu a lagartixa, o besouro e os outros vermes que comerão teu corpo, torturarem antes, as vitimas? Você já viu um pobre animal obrigar um “Bípede” a saltar entre arcos de fogo? Dizer-lhe que o montará (opa!)?

- Como assim? - Insistiu a pequena Soraia-Lulu

- Faça, "Serzinho Inteligente", que a Vida e a Morte do irmão bicho sejam de tal sorte que ele desfrute da Primeira e seja respeitado na Segunda. Que sua dor seja leve e sua agonia seja breve. Mas ao comer a carne do irmão-bicho não se ache atroz, nem superior se não o fizer; pois tu, eu e o irmão-bicho somos da mesma matéria e escravos de uma mãe comum. Nossas vidas se alimentam de nossas mortes. Até as das irmãs-plantas. É a Mandala da Natureza. Nós somos a Natureza! Aceite-a, você não está acima dela. Alimente-se sem hipocrisia, pois a Vida não tem hierarquia. Só nós é que temos essa mania. Também há morte em cada prato de Alface, mandado para o Sumano...

-Humano?

- Não! Esquece.

- De morte se faz a comida. Quer vegetal, quer animal. Todos morreram para te alimentar. Não se esqueça da nobre missão que tens; saibas que leva no teu corpo o alimento para milhões de animais que só esperam a tua hora. E lembre-se que nem por isso eles te maltratarão, torturarão, escravizarão e usarão para compensar suas pequenas medidas...

- Quais medidas?

- Preciso dizer? Não se furte de transportar a energia das vidas que acabaram para preservar a tua. Toda morte só se justifica no seu oposto. Repasse a Vida. Todas as vidas.

- Como assim?




NOTA - Obra ficcional, qualquer semelhança com a Realidade terá sido mera coincidência.