sexta-feira, 23 de julho de 2010

Cenários

É lúgubre a máscara mortuária
que recobre a fantasia ordinária
que um dia ousou Januária:
pobre lagarta sem cristália,
a escorrer pela faina diária
e da alcunha de puta e otária.

Talvez seja excessivo o obituário
para o homem diário.
Desses que perambulam sem fim,
a espera de um Serafim
ou de quem lhe compre um rim.

Mortes e morte.
Vidas sem norte,
figuram em tosco recorte,
logo abaixo d'alguma manchete
que recobre meio seio da vedete.