terça-feira, 5 de abril de 2011

Zona

Lâmpada da Lua
que ilumina o bêbado
demente de paixão
pela mulher-dama
e pela moça virgem,
de desconhecida origem.

Moça virgindade,
há pouco chegada,
fique com o gringo
e depois tu teras
uma cama, um lápis e um papel,
além de uma cortina de bordel.

Forasteiro das Gerais,
que ouro trouxestes?
-Quase nada, cabra da peste.
Só cansaço e desalento
pela promessa
que se foi ao vento.

Deite-se comigo forasteiro
e acenda meu braseiro,
diz a ex-virgem da caatinga,
que já morreu, sem saber ainda.

Lua violada pelo irmão do Norte,
que a perdeu como consorte
e a roubou do poeta insone,
que é como carcará,
bicho que voa, mata e come.

É coisa da fome.
Coisa do 3º Mundo,
esse saco sem fundo.