domingo, 24 de abril de 2011

Seca

Sinto
a seca dos versos.
O papel é caatinga
donde nada brota.

A caneta é espinho
e o longo punhal
que sangraria o Poema
perdeu o corte e a ponta.
A letra bateu asa
e fugiu.

Seco ressecado
estou caminho
de chão batido;
sem destino
de chegada,
sem lembrança
da partida.
A vida é só de ida.