terça-feira, 19 de abril de 2011

Noite Gim

A pista,
a meia-luz,
o gosto do gim
e o calor do teu
corpo
ainda no meu...

Vivi a noite.
Vivi pelas noites,
nas boites
de toda esquina,
onde a cura
para o "Mal de Amor"
vira sina.

Noites que em teus
olhos
sempre vi;
e contigo
reparti.

Poetas dançados,
beijos molhados
e teus seios,
sempre amados.

Velhas lembranças
que alguma música
aviva,
qual brasa escondida
nesses tempos
de boêmia
esquecida.