quinta-feira, 28 de abril de 2011

Pecado

Paraíso Perdido
por culpa
do Pecado cometido
e do abuso consentido.

Erramos desde
o começo;
assim dizem
as Escrituras
e os Torquemadas
Fleurys
das torturas.

Brejo da Cruz
de Chico*,
infecundas
as tuas águas,
abundantes
as tuas pragas.

Só mosca varejeira
na morada derradeira
da insana guerreira,
que lutou
contra a direita
cachoeira.

O jovem ator
presta-te reverência.
Algum arrependido
faz-lhe continência.
Tudo em vão,
sete palmos
abaixo do chão.

Para Bete.



* da poética de Chico Buarque de Holanda.