quinta-feira, 22 de agosto de 2013

A Musa e a Enseada


Então eu soube, que como a tulipa
tu é uma cortesia que a vida me oferece.
Um riso que não planejei, mas que na mesa do mundo,
saboreei.

E mais eu soube, Musa de todos os amanhãs,
pois eis que em ti estará o próximo verso
e que por ti se cantará a eterna balada
nas areias azuis da enseada.

                      Para a Musa.