segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Aos vinte e cinco anos (Revisado)


"A Dor" - Emile Friant

Diz Roberto que aos vinte e cinco anos
já não é trágico morrer...

Que será o inicio dos sonhos mortos
em inglória ausência não sentida.
O tempo de espantos abortados
e de utopias assassinadas.
O tempo e a idade das vãs 
ressurreições desejadas.

Os seios livres de Isadora
desafiam todas as tiranias
e os poetas de Minas
cantam e recantam  as eternas Marilias
em vagas de amor perene,
enquanto os rios de Guimarães
lavam e levam os pecados do mundo.

Mas disso Roberto não sabe...
Nada sabe dos outros vinte e cinco anos
que haverão de repetir os movimentos cessados,
pois eis que, tola, a vida só se repete
e porque nada avança,
resta-nos o consolo e a ilusão
de que o velho, novo se faça
como sempre nos prometeu
a divina trapaça.



Referências à Isadora Ducan, a Guimarães Rosa e a Marilia, de Dirceu.
Produção e divulgação de TAÍS ALBUQUERQUE - rien limitée - do Rio de Janeiro, no inverno de 2013.