quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Acreditar


Que eu possa acreditar
que a escuridão
não seja o silêncio da luz.
Que em meu peito persista a esperança
de que atrás de cada lágrima
um novo brilho no olhar
em breve haverá de chegar.
Que em mim sempre exista
o desejo pela paz revista
e seja perene o motivo
para que eu busque o amor definitivo.
Que nunca o Pensar e a complexidade
substituam o Sentir e a generosidade.
Que nada atravesse a minha vontade
e que a minha pouca arte
sempre cante a Musa que se reparte.
Que não me fujam as palavras,
as semeaduras e as lavras
para que o ouro que se encontre
impeça todo injusto desmonte.
Que eu viva a minha circunstância
e caminhe a minha distância.
Que eu saiba preservar o meio,
pois dizem que a virtude está no centro,
mas que tal virtude
não me subtraia a lição
que só o erro pode me ofertar.
Que eu, enfim, possa sempre sentir
o gozo pela flor que me for dada
em cada nudez revelada.

                                À Musa.


Poesia classificada no Concurso Poesia Todo Dia da Agbook.