terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

A Quarta


O cetim dos lençóis
está fresco. Estão frios.
São mármores
em que me deito.

O jantar ainda repousa intacto,
como se fome, no Mundo, não houvesse.
Tampouco a Lua iluminou a noite
como se breu na vida não houvesse.

Essa insônia deveria ser seguida
por alguma esperança aturdida.
Mas está vazia a madrugada recém nascida
e por isso eu sei que o Catamarã não aportará.

Disseram-me que se perdeu no caminho.
E que talvez só chegue tarde demais.
Talvez até, nem siga a esperada via.
Que eu busque outra estrela-guia.

Indiferente, a maré seguirá seu movimento
e o cotidiano sufocará todo sentimento.
Restarão apenas as Cinzas da Quarta,
que ficaram em testamento.